Serviços O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Bionorte
Bionorte
   Brasil, quarta-feira, 21 de Agosto de 2019.CPF:Senha:

Currículo

Currículo do Pesquisador

Eloisa Helena de Aguiar Andrade
CitaçõesANDRADE, E. H. A.;ANDRADE, ELOISA HELENA DE AGUIAR;ANDRADE, ELOISA HELENA AGUIAR;ANDRADE, ELOISA HELENA A.;ANDRADE, ELOISA HELENA;ELOISA HELENA A. ANDRADE;ELOISA HELENA A. AGUIAR;ANDRADE, ELOLSA HELENA A.;ANDRADE, E. H. D. A.;ANDRADE, ELOISA H. A.;ANDRADE, ELOISA H.A.;ANDRADE, ELOISA;ANDRADE, ELOÍSA;DE AGUIARANDRADE, ELOISA HELENA;ANDRADE, ELOÍSA HELENA A.;DE AGUIAR ANDRADE, ELOISA HELENA;HELENA A. ANDRADE, ELOISA;DE AGUIAR ANDRADE, ELOISA H.
TitulaçãoDoutorado
ÁreaCIENCIAS_EXATAS_E_DA_TERRA :: Química
Formação
  • Doutorado - Periodo: 2005 a 2008 - Química
    Universidade Federal do Pará
  • Mestrado - Periodo: 1989 a 1992 - Química
    Universidade Federal do Pará
  • Graduação - Periodo: 1981 a 1982 - Bioquímica
    Universidade Federal do Pará
  • Graduação - Periodo: 1978 a 1980 - Farmácia
    Universidade Federal do Pará
Atuação Profissional
  • Museu Paraense Emílio Goeldi- / Periodo: 2013 a atual
  • Museu Paraense Emílio Goeldi- / Periodo: 1992 a 2004
  • Universidade Federal da Paraíba- / Periodo: 2016 a atual
  • Universidade Federal do Pará- / Periodo: 2009 a atual
  • Universidade Federal do Pará- / Periodo: 2005 a 2009
Linha de Pesquisa
  • Química de Produtos Natirais
  • Química de Produtos Naturais
  • Química de Produtos Naturais
Projetos de Pesquisa
  • Metabólitos Secundários Biativos de Plantas e Micro-organismos
    Processo 407586/2013-0 Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal - REDE BIONORTE - Este subprojeto compõe a Rede Amazônica de Pesquisa em Biofármacos que tem como Coordenador Geral o Prof. Dr. José Carlos Tavares Carvalho da UNIFAP. O objetivo principal do subprojeto é o isolamento e identificação de metabólitos secundários obtidos de plantas e pelo cultivo de fungos endofíticos associados a essas plantas, para avaliação farmacológica em parceria com pesquisadores da Rede. Pretendemos avaliar as atividades farmacológicas (antiinflamatórias, analgésicas e anti-obsidade in vitro). A utilização de fungos endofíticos para a produção de metabólitos secundários é um processo biotecnológico que vai ao encontro das políticas de preservação da biodiversidade, uma vez que os metabólitos secundários podem ser acessados por meio do cultivo desses micro-organismos em meio sólido (por exemplo arroz, milho, etc.), meio líquido (glicose ou outra fonte de carbono + sais), entre outros, minimizando, assim, a derrubada de árvores e preservando o meio ambiente. A Rede Amazônica de Pesquisa em Biofármacos é constituída pelo Estados do Amapá, Pará, Acre e Amazonas..
    Período: 2014 - atual / Situação: EM_ANDAMENTO / Natureza: PESQUISA
  • Instituto Nacional de Ciência Tecnologia "Rede Norte Nordeste de Fitoprodutos" (INCT?Rennofito)
    O mercado de fitoterápicos está estimado em cerca de 22 bilhões de dólares, correspondendo a 3,7% do mercado global da indústria farmacêutica. No Brasil, mesmo com o baixo acesso aos medicamentos, o mercado de fitoterápicos é estimado em 2 bilhões de dólares por ano, com grande potencial de crescimento, dada também pela grande diversidade biológica do país. As Regiões Nordeste e Norte apresentam a maior diversidade de plantas medicinais do Brasil e a singularidade das espécies de plantas medicinais das regiões que podem ser trabalhadas como Insumo Farmacêutico Ativo Vegetal e/ou Adjuvantes tecnológicos, seja como matéria-prima ativa vegetal, seja como base para síntese de outros produtos farmacêuticos com atividade potencializada, impõe a construção de um grande acervo de informações e socialização deste conhecimento, fundamentais para o aproveitamento deste potencial. O INCTRENNOFITO se propõe a integrar os conhecimentos científicos, tecnológicos e inovadores na área de fitoprodutos envolvendo o uso sustentável da biodiversidade para produção de insumos farmacêuticos ativos vegetais e os respectivos fitomedicamentos, fitocosméticos e fitonutracêuticos em uma rede de abrangência nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.
    Período: 2016 - atual / Situação: EM_ANDAMENTO / Natureza: PESQUISA
  • Base de Dados das Plantas Aromáticas e Frutos da Amazônia Oriental (Pará, Maranhão e Tocantins).
    O projeto tem como objetivo estabelecer a Base de Dados das Plantas Aromáticas e Frutos da Amazônia Oriental, promovendo o inventário das plantas aromáticas e frutos das áreas de cerrado do Sul do Pará, Sudeste do Maranhão e Norte do Tocantins, área essa relativa à parte meridional da Amazônia Legal Brasileira, tendo como suporte a execução de estudos botânicos, químicos e biológicos do material coletado. A ideia da proposta é coletar espécies (e espécimes de diferentes tipos químicos) de plantas aromáticas e frutos, registrar seu uso popular, identificar e depositar o material botânico nos herbários da região (MPEG, INPA e EMBRAPA), obter e identificar os constituintes voláteis dos óleos essenciais e aromas produzidos e submetê-los a ensaios biológicos, com vistas ao seu aproveitamento econômico.
    Período: 2014 - atual / Situação: EM_ANDAMENTO / Natureza: PESQUISA
  • Constituintes fenólicos e capacidade antioxidante do mel, própolis, resina e pólen produzidos ou seqüestrados por Melipona flavolineata e M. fasciculata (abelhas sem ferrão), em diferentes tipos de vegetação da Amazônia
    A meliponicultura, nome dado à criação de abelhas da subtribo MELIPONINAE (também conhecidas como abelhas indígenas sem ferrão), se insere com perfeição dentro dos conceitos de diversificação e uso sustentado das terras da Amazônia. Os meliponíneos são abelhas dóceis, de fácil manejo e necessitam de pouco investimento para a sua criação. É uma atividade que pode ser integrada a plantios florestais, de fruteiras e de culturas de ciclo curto, podendo contribuir, através da polinização, com o aumento da produção agrícola e regeneração da vegetação natural. No presente projeto é proposto o estudo da composição de fenólicos e da capacidade antioxidante do mel, geoprópolis, pólen e resina produzidos por Melipona flavolineata e M. fasciculata em diferentes tipos de vegetação com ocorrência no Estado do Pará, com vistas a estabelecer uma estratégia na prospecção de constituintes ativos de plantas da Amazônia, usando Melipona spp (abelhas sem ferrão) como indicador biológico..
    Período: 2012 - atual / Situação: EM_ANDAMENTO / Natureza: PESQUISA
  • Corantes de Açaí: Otimização dos Processos de Obtenção, Purificação, Caracterização e Avaliação da Estabilidade
    Projeto aprovado no âmbito do Edital MCTI/CNPq N. 14/2013- Chamada Universal. Objetivando desenvolver e otimizar processos para obtenção de corantes em pó, proveniente de antocianinas do açaí, visando estabelecer tecnologias apropriadas para aplicação de corantes naturais em diferente segmentos
    Período: 2013 - atual / Situação: EM_ANDAMENTO / Natureza: PESQUISA
  • Secagem de plantas amazônicas para produção de óleos essenciais potencialmente viáveis para aplicações industriais.
    Projeto aprovado no âmbito do Edital MCTI/CNPq/SPM-PR/PETROBRAS N. Meninas e Jovens Fazendo Ciência Exatas, Engenharia e Computação. Objetivando otimizar experimentalmente a secagem das plantas amazônicas do gênero Piper e da família Asteraceae, visando maximizar o rendimento em óleo essencial e o teor do componente de interesse
    Período: 2013 - atual / Situação: EM_ANDAMENTO / Natureza: PESQUISA
  • Avaliação Botânica, Química e Biológica das Plantas Aromáticas da Amazônia Oriental
    A proposta tem por base a utilização dos óleos graxos de castanha-do-pará (Bertholletia excelsa Bonpl., Lecythidaceae), andiroba (Carapa guianensis Aubl., Meliaceae) e babaçu (Orbignya speciosa Barb. Rodr., Arecaceae), espécies oleaginosas enfatizadas no Edital da REDEBIO como cadeias produtivas já consolidadas na região amazônica, associados aos óleos essenciais de espécies de Lippia da Amazônia Oriental, particularmente, Lippia grandis Schauer (Maia et al. 2003), Lippia gracilis Schauer, Lippia germinata Kunth e Lippia schomburgkiana Schauer (Verbenaceae) e aos méis, própolis e resinas produzidos por Melipona flavolineata Friese (uruçu-amarela) (Félix et al., 2009) e Melipona subnitida Ducke (jandaíra), abelhas sem ferrão da família Meliponinae. A idéia da proposta é associar estas bases lipofílicas de óleos graxos e essenciais com méis, própolis e resinas de abelhas sem ferrão para compor e enriquecer novas formulações cosméticas, como cremes, pomadas, sabonetes, xampus, óleos hidratantes, etc..
    Período: 2010 - atual / Situação: EM_ANDAMENTO / Natureza: PESQUISA
  • Busca de substâncias com potencial aplicação farmacológica e tecnológica a partir da matéria-prima vegetal Montrichardia linifera (Arruda) Schott
    Montrichardia linifera (Arruda) Schott é uma espécie de macrófita aquática do gênero Montrichardia Crüger, família Araceae, conhecida popularmente como ?aninga?, vastamente distribuída nas várzeas amazônicas e igualmente encontrada em diversos ecossistemas inundáveis como os igapós, margens de rios, furos e igarapés. Utilizada tradicionalmente pelos ribeirinhos amazônicos, possui amplo espectro etnomedicinal sendo que a sua propriedade cicatrizante é a mais destacada, indicada para tratar ferrada de arraia, picada de cobra e escorpião. A seiva leitosa e o suco desta planta já vêm sendo mencionados na literatura desde o século XIX para o tratamento de feridas e úlceras. Entretanto, apesar de terem se passado mais de 150 anos desde o primeiro registro deste seu uso na medicina tradicional, muito pouco se conhece sobre a sua composição química. Estudos químicos com esta planta ainda são muito recentes e preliminares, porém já indicam que esta espécie é promissora na busca de substâncias bioativas. O estado atual da pesquisa com a M. linifera está no conhecimento de que atividade antiplasmódica contra o Plasmodium falciparum (parasito causador da malária) foi encontrada na fração diclorometânica do extrato etanólico do caule de onde foi isolada a substância p-hidroxibenzaldeído cuja atividade antimalárica já foi comprovada em estudos anteriores assim como o mesmo extrato também apresentou atividade antinociceptiva (analgésica). Também foram encontradas nesta planta substâncias do tipo poliprenóis e vale ressaltar que um concentrado de poliprenóis extraídos de agulhas de coníferas provenientes de florestas siberianas é a principal substância de um medicamento de nome ?Ropren? desenvolvido e comercializado na Rússia desde 2010 para o tratamento de uma série de doenças hepáticas. Uma curiosidade é que existe o relato de que o chá das folhas senescentes da M. linifera é utilizado pelos ribeirinhos para tratar doenças do fígado. O Museu Paraense Emílio Goeldi depositou um pedido de patente cuja tecnologia envolve processo para extração em grande escala de uma substância concentrada pertencente à classe dos poliprenóis, extraída a partir da planta Montrichardia linifera (Arruda) Schott. O diferencial é que a M.linifera é uma planta de fácil acesso e em grande volume uma vez que povoa áreas inundáveis em toda a Amazônia. A robusta dimensão das folhas, que em média medem 44 cm de largura e 52 cm de comprimento possibilita a extração em larga escala, tornando interessante o processo de extração, principalmente se pensarmos o volume de rendimento que possa vir a ser alcançado quando comparada às dimensões das agulhas das coníferas. Portanto, a extração do princípio ativo poliprenóis e seu espectro de aplicação alcançam cadeias produtivas de alto valor agregado (fármaco), portanto havendo o potencial de mercado. Diante do exposto e pelo fato de ser uma planta de expressiva ocorrência nas margens de rios, formando extensas populações clonais, a caracterização química de extratos fixos e voláteis de M. linifera justifica-se pelo alto potencial que esta planta apresenta em ser uma promissora fonte sustentável de matéria-prima principalmente para a indústria farmacêutica, de onde poderão ser identificadas, isoladas e purificadas possíveis substâncias úteis, com potencial aplicação tecnológica.
    Período: 2014 - 2015 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: PESQUISA
  • Potencial Econômico e Uso Sustentável de Piperaceae da Amazônia
    No nível mundial o potencial das espécies da família Piperaceae para a obtenção de produtos naturais biologicamente ativos pode ser atestado por inúmeros trabalhos Científicos, representando um real valor para a economia global. Em medicina damos como exemplo as atividades bactericida e ansiolítica de Piper betle e P. methysticum, o efeito inibidor de Piper futokadsura nos processos inflamatórios como a asma, na culinária com o emprego do Piper nigrum L. (pimenta-do-reino), na agricultura e meio ambiente com o uso de P. guineense e P. peepuloides que são inseticidas e moluscicidas. A presente proposta se insere dentro do conceito de uma rede de pesquisa propondo agregar e estender o conhecimento científico e tecnológico das Piperaceae da Amazônia (e do Brasil) associando a competência de pesquisadores que já dedicam os seus esforços na pesquisa de algumas espécies da família. Conhecimentos dispersos e por serem descobertos irão estabelecer o estado da arte no estudo das Piperáceas da Amazônia ao final da execução do projeto. Estarão agregando conhecimento e competência a este projeto os pesquisadores das seguintes áreas do conhecimento: botânica sistemática, aplicada e etnobotânica (MPEG, UFPA, JBRJ, USP); química e engenharia química de produtos naturais (UFPA, USP e UFRJ); biologia molecular, genética e filogenia (UFPA, USP e UFRJ); farmacologia, fitopatologia e entomologia aplicada (UFPA, CEPLAC e UNIFAP); fitotecnia e economia rural (MPEG e CEPLAC). Estas áreas estão contempladas entre os membros do Grupo de Pesquisas de Plantas Aromáticas do Diretório de Grupos de Pesquisas do CNPq.
    Período: 2008 - 2011 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: PESQUISA
  • Potencial Econômico de Óleos Essenciais de Piperáceas da Amazônia
    Entre as várias alternativas econômicas os óleos de espécies da família das Piperáceas são muito promissores. Nós trabalhamos um número bastante elevado de espécies dessa família, promovendo coleta de campo, identificação e registro em herbário; análise química de componentes voláteis e fixos; ensaios biológicos; e geração de tecnologias de cultivo e de beneficiamento (secagem e destilação) no campo. O tema central do presente projeto envolve o gênero Piper e Peperomia da família Piperaceae, que inclui a pimenta-do-reino, a pimenta-de-macaco, pariparobas, caapeba, falso-jaborandi, entre outras. São espécies tipicamente pioneiras, com dispersão zoocórica, especialmente por morcegos (Mikich et al., 2003), de fácil propagação por germinação ou reprodução vegetativa (Rozco-Segovia et al, 1989). A família Piperaceae compreende 12 gêneros e cerca de 2000 espécies. Os gêneros com distribuição pantropical são Piper L., Peperomia Ruiz & Pav., Ottonia Spreng., Pothomorphe Miq. e Sarcorhachis Trel . Piper é o maior gênero, com cerca de 700 espécies. Entre estes, há cerca de 260 espécies com ocorrência no Brasil e estima-se que a Amazônia abriga próximo de 140 espécies (Yuncker 1972 e 1973; Guimarães e Giordano, 2004). O número de espécies de Peperomia é desconhecido na Amazônia. Os gêneros Ottonia e Sarcorhachis não são descritos para a Amazônia e, na região, só ocorre Pothomorphe peltata (L.) Miq. Portanto, para a região amazônica, não se sabe ao certo quantas espécies são conhecidas, quantas são novas espécies, qual a sua real distribuição, quais de ocorrência endêmica e quantas mais de valor econômico poderiam ser exploradas racionalmente.
    Período: 2006 - 2008 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: PESQUISA
  • Base de dados das plantas aromáticas e frutos da Amazônia
    O potencial da flora aromática da Amazônia apresenta-se como uma fonte renovável, apropriada à produção de essências aromáticas e como alternativa econômica para o desenvolvimento sustentável da região, com reais perspectivas de geração de riqueza. Neste sentido, é necessário promover o seu inventário visando o aumento da fonte de novas matérias primas, com preferência àquelas de ciclo vegetativo rápido. O uso econômico da flora aromática autóctone vem sendo feito sistematicamente em outros países, face a uma menor exigência à agricultura primária, porém poucos apresentam a multiplicidade de plantas e ecossistemas que possuímos. Para estabelecer um paralelo com o conhecimento técnico-científico que foi gerado previamente, em 1990 o Grupo criou a Base de Dados das Plantas Aromáticas e Frutos da Amazônia, que hoje conta com cerca de 850 entradas (espécimens), capaz de fornecer as mais diversificadas informações (botânicas, fitoquímicas, medicinais, agronômicas, ecológicas e econômicas); publicou em revistas nacionais e internacionais e, em eventos técnico-científicos, mais de 500 artigos e resumos de trabalhos científicos sobre botânica (quimiotaxonomia e quimiossistemática), fitoquímica (identificação dos constituintes voláteis de óleos essenciais e aromas), agronomia e ensaios biológicos (inseticida, fungicida, larvicida, bactericida, moluscicida e repelência à insetos vetores de doenças tropicais); promoveu a geração de tecnologias de cultivo e de beneficiamento para plantas com elevado potencial econômico; e treinou e capacitou mais de 80 estudantes de graduação (IC, TCC, AT) e pós-graduação (especialização, mestrado e doutorado). Muitas espécies aromáticas, que ocorrem em ecossistemas tão diversos com os da Amazônia, estão sob pressão ambiental face a permanente ação antrópica, seja por mal exploração dos recursos florestais, seja por desmatamentos e queimadas exigidos no próprio desenvolvimento da região.
    Período: 2004 - 2007 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: DESENVOLVIMENTO
  • Avaliação da Diversidade e do Potencial de aproveitamento das palmeiras nativas do município de Belém-PA
    O projeto teve como objetivo fazer um levantamento das palmeiras nativas de áreas próximas de Belém, levantamento etnobotânico, anatomia, análise quali-quantitativa e caracterização físico-quínica das fibras, manejo e propogação e banco de dados.
    Período: 2001 - 2005 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: PESQUISA
  • Aromáticas na Amazônia: Alternativa Econômica para Comunidades Rurais
    O objetivo desse projeto foi o de promover atividades de pesquisas com plantas aromáticas e/ou aclimatadas na Amazônia, visando a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais. Foi feito um levantamento da cadeia produtiva de óleos essenciais no estado do Pará, adquiridas amostras de plantas aromáticas cultivadas e de ocorrência natural em vários locais do Pará, extração e análise dos óleos essenciais, além de experimentos de conservação de germoplasmas de priprioca e vetiver. Foram desenvolvidos estudos de cultivo com espécies alvo de interesse econômico quanto ao espaçamento, tipo de adubo e níveis de luminosidade, além de entrevistas nos diferentes segmentos da cadeia incluindo as empresas locais que atuam no campo dos óleos essenciais, perfumes e cosméticos
    Período: 2002 - 2004 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: PESQUISA
  • Banco de dados das plantas aromáticas e frutos tropicais da Amazônia: seus óleos essenciais e aromas
    O projeto teve como pressuposto a conclusão do Banco de Dados de Plantas Aromáticas da Amazônia, seus óleos essenciais e aromas, considerando que o grupo proponente vem inventariando a flora odorífera da Amazônia há cerca de 15 anos e agrupando informações referentes a nomes científico e vulgar da planta, família botânica, uso popular, locais de coleta, rendimento em óleo essencial ou aroma, órgão da planta estudado, biologia e características botânicas, distribuição geográfica, composição química dos constituintes voláteis dos óleos essenciais e aromas e referências bibliográficas, sendo que, futuramente o acesso se dará via internet para a comunidade científica e empresarial. Com a inclusão de estudos de adaptabilidade e viabilidade de espécies de comprovado potencial econômico às áreas impactadas pelo mal uso da terra e o estabelecimento de coleções de trabalho, pretendeu-se, também, inventariar a flora aromática de ecossistemas, tipo campo natural e cerrado e promover a seleção de espécies aromáticas com potencial econômico. Como metodologia de coleta, registro e identificação da planta utilizou-se destilação, extração e análise dos óleos essenciais e aromas, técnicas de cromatografia gás-líquido e cromatografia de gás acoplada à espectrometria de massas, com auxílio de computador e bibliotecas de referências, contendo dados de espectros de massas e de retenção relativa, técnicas de HPLC e espectroscopia de RMN auxiliaram na identificação dos componentes voláteis. O Banco de Dados que possuía 300 entradas com o inventário dos estados do Pará, Amazonas, Acre e parte do Maranhão, conta com 723 entradas (especimens) e previsão de mais ou menos 350 novas já analisadas, que totalizarão 1050 entradas até janeiro de 2000, devido à realização de coleta e observação etnobotânica em áreas previamente não inventariadas, especialmente, nos estados do Amapá, Mato Grosso, Roraima, Tocantins e Maranhão
    Período: 1996 - 1999 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: PESQUISA
  • Banco de dados das plantas aromáticas e frutos tropicais da Amazônia: inventário das Espécies de Piperaceae
    Fenilpropanóides voláteis possuem acentuada atividade biológica contra insetos. Miristicina e -asarona, por exempo, muito comuns em espécies de plantas, apresentam propriedade anti-apetite e redução no desenvolvimento dos ovários de alguns insetos (1,2). Os fenilpropanóides são responsáveis em grande parte pela atividade biológica apresentada em algumas espécies de Piper (Piperaceae) da Amazônia. Entre estes se incluem o apiol, dilapiol, miristicina, elemicina, eugenol, metileugenol, etilpiperonilcetona e safrol, todos encontrados em óleos essenciais de algumas espécies de Piper já estudadas pelo Grupo de Plantas Aromáticas do MPEG.
    Período: 1995 - 1996 / Situação: CONCLUIDO / Natureza: PESQUISA
Áreas de Atuação
  • CIENCIAS_BIOLOGICAS :: Bioquímica :: ::
  • CIENCIAS_BIOLOGICAS :: Botânica :: Botânica Econômica ::
  • CIENCIAS_DA_SAUDE :: Farmácia :: ::
  • CIENCIAS_EXATAS_E_DA_TERRA :: Química :: Química Orgânica :: Evolução, Sistemática e Ecologia Química
  • CIENCIAS_EXATAS_E_DA_TERRA :: Química :: Química Orgânica :: Química de Alimentos
  • CIENCIAS_EXATAS_E_DA_TERRA :: Química :: Química Orgânica :: Química dos Produtos Naturais
Idiomas
  • Alemão: Lê: POUCO, Fala: POUCO, Escreve: POUCO, Compreende: POUCO
  • Espanhol: Lê: RAZOAVELMENTE, Fala: POUCO, Escreve: POUCO, Compreende: RAZOAVELMENTE
  • Inglês: Lê: RAZOAVELMENTE, Fala: POUCO, Escreve: POUCO, Compreende: RAZOAVELMENTE
Banca Julgadora
Tipo de Produção < 2011201220132014201520162017Total
Participação em Banca de Doutorado110223009
Participação em Banca de Exame de Qualificação4015211014
Participação em Banca de Graduação112400008
Participação em Banca de Mestrado4331221117
Total105612662148
Eventos
Tipo de Produção < 2011201220162017Total
Participação em Congresso16001017
Participação em Encontro20100021
Participação em Seminário500005
Participação em Simpósio401016
Total45111149
Orientação
Tipo de Produção < 20112012201320142015201620172018Total
Orientação em Andamento de Aperfeiçoamento Especialização0000000101
Orientação em Andamento de Doutorado0000110013
Orientação em Andamento de Iniciação Científica0000000505
Orientação em Andamento de Mestrado0000000101
Orientações Concluídas para Doutorado0000010001
Orientações Concluídas para Mestrado0001200003
Outras Orientações Concluídas62455544035
Total624687411149
Produção Bibliográfica
Tipo de Produção < 20112012201320142015201620172018Total
Apresentação de Trabalho1000001002
Artigo Publicado10942558453145
Capitulo de Livro Publicado60012100010
Livro Publicado ou Organizado3000000003
Outras Orientações em Andamento0000000101
Outras Participações em Eventos e Congressos5000100006
Relatório de Pesquisa3000000003
Trabalho em Eventos22313152010911120313
Total350171726181816183483
Produção Técnica
Tipo de Produção < 2012Total
Outra Produção Técnica10313
Total10313
Pós-Graduação Fale Conosco Financiadores
Coordenação Geral do Doutorado em Biodiversidade e Biotecnologia - PPG-BIONORTE
Universidade Estadual do Maranhão - Cidade Universitária Paulo VI - Predio da Veterinária
Av. Lourenço Vieira da Silva, nº 1000 - CEP: 65.055-313 - São Luis (MA)
Página Inicial  •  Mapa do Site  •  Contato  •  Área Restrita