Corpo Discente - Egressos

Antônio do Socorro Ferreira Pinheiro
TítuloO Museu Paraense Emílio Goeldi e o uso dos resultados de pesquisa em produtos, processos & serviços:bionegócios.
Data da Defesa30/09/2016
Banca

ExaminadorInstituiçãoAprovadoTipo
Dra. Cristine Bastos do Amarante - Membro da Banca ExaminadoraMuseu Paraense Emílio GoeldiSim
Dra. Maria Cristina César de Oliveira - Membro da Banca ExaminadoraUniversidade Federal do ParáSim
Dra. Maria das Graças Ferraz Bezerra - Membro da Banca ExaminadoraMuseu Paraense Emílio GoeldiSim
Dra. Maria de Lourdes Pinheiro Ruivo - Presidente da Banca ExaminadoraMuseu Paraense Emílio GoeldiSim
Dr. Osmar Alves Lameira - Membro da Banca ExaminadoraEmbrapa - ParáSim
Palavras-ChavesProdução científica;Conservação e uso sustenatvel de recursos naturais;Inovação e setor tecnológico
ResumoA Amazônia brasileira é identificada como uma região de baixa produção tecnológica, e isso motivou discutir a produção do conhecimento e a transferência de tecnologia relacionada à conservação da biodiversidade e a bionegócios. A pesquisa aplicada de caráter explicativo, em base bibliográfica e documental, envolve a ação do Brasil e a política de desenvolvimento produtivo baseada em ciência, tecnologia e inovação. Centra-se no Museu Goeldi sua produção científica, exemplificada nas Tecnologias para o Desenvolvimento Sustentável, vinte temáticas priorizadas para sua interação com empresas. Isso proporcionou identificar os níveis tecnológicos e os principais setores atendidos e o uso em tecnologia social. Os resultados levaram à pesquisa com terra preta (biochar), o que gerou a Terra Preta Nova; e, a partir dela, foi exercitado um estudo de caso. Vê-se que os resultados de pesquisa do Museu Goeldi podem gerar tecnologias protegidas por patentes e que podem vir a ser uma inovação, um produto com mercado definido e, também, tecnologias sociais que, replicáveis, podem adequar-se a diferentes realidades e necessidades locais. Há uma concentração de uso dos resultados de pesquisa do Museu Goeldi nos setores econômicos de média-baixa e baixa tecnologia, principalmente agroestrativismo, pecuária, mineração, madeireira e grandes projetos (hidroelétricas, rodovias, portos); e em áreas de alta e média-alta tecnologia, com menor concentração. O uso em tecnologia social apresenta maior possibilidade de aplicação das tecnologias para o desenvolvimento sustentável. Há concentração em áreas econômicas que não fazem parte daquelas incentivadas pela política de desenvolvimento produtivo (alta concentração de tecnologia), mas o uso dos resultados de pesquisa é condizente com a realidade produtiva da Amazônia brasileira. A ação do Museu Goeldi à proteção e uso do resultado de pesquisa não difere dos da maioria das instituições de pesquisa latino-americanas, que carecem de mudanças culturais, institucionais e sensibilização no uso do sistema de propriedade intelectual. O estudo de caso da Terra Preta Nova conecta os objetivos da pesquisa de identificar o uso dos resultados de pesquisas do Museu Paraense Emílio Goeldi e discutir a produção do conhecimento e a transferência de tecnologia; relacionar o uso dos resultados de pesquisa à conservação da biodiversidade e à geração de bionegócios. A Terra Preta Nova é uma tecnologia (biotecnologia ambiental) que transforma resíduos sólidos orgânicos em produtos com valor de mercado. Seus resultados foram protegidos com o depósito da patente e registro de duas marcas. A patente é considerada tecnologia verde por ser ambientalmente amigável. Seus resultados são considerados biochar, por se enquadrarem como tecnologias de baixo carbono que podem contribuir com respostas para indagações de como gerenciar os problemas relacionados à produção de rejeitos, resíduos sólidos orgânicos, em centros urbanos, áreas rurais e parques industriais; como equacionar a questão ambiental e considerar a necessidade social do desenvolvimento? A Terra Preta Nova, enquanto tecnologia biochar, tecnologia verde, se aproxima de iniciativas na União Europeia, e em particular na Alemanaha e nos Estados Unidos voltadas ao desenvolvimento de produtos a partir da terra preta (biochar).
AbstractThe Brazilian Amazon has been identified as a low-technology production region, which has inspired the discussion on knowledge generation and technology transfer related to biodiversity conservation and bio-business. The explanatory nature of the applied research, with its bibliographical and documentary basis, includes an action from Brazil as well as the production development policy based on science, technology and innovation. Its scientific production, located at the Goeldi Museum, is exemplified by sustainable development technologies, with twenty major themes for its interaction with companies. This allows the identification of the technological levels, and the main sectors supported, as well as their use in social technology. The results led to the research on biochar (charcoal biomass), which generated the New Black Soil, from which a case study was developed. It is possible that the research results at the Goeldi Museum can develop innovative patent-protected technologies, and products with a defined market that incorporate social technologies, which when replicated, can fit different realities and local needs. Research results from the Goeldi Museum have been frequently used in the medium-low and low technology economic sectors, mainly in activities related to agro-extraction, livestock, mining, wood cutting, and large projects (hydroelectric plants, highways, ports), as well as in areas of high and medium-high technology, albeit less extensively. Its use in social technology presents a bigger opportunity to use technology for sustainable development. There is a concentration in economic areas, not pertaining to those favored by the production development policy (high concentration of technology). However, the use of research results is consistent with the productive reality of the Brazilian Amazon. The efforts of the Goeldi Museum towards protecting and using the research results do not differ from the majority of Latin American research institutes, which lack the cultural and institutional ability, as well as the sensibility to use the intellectual property system. The New Black Soil case study brings together the research objectives of identifying the use of the Goeldi Museum research results and discussing the generation of knowledge and technology transfer, with regard to the use of research results for biodiversity conservation and the development of bio-business. The New Black Soil is a technology (environmental biotechnology) that transforms organic solid waste into market-valued products. Its results have been protected by filing a patent claim and registering two trademarks. The patent is considered green technology because it is environmentally friendly. The resultant products are considered biochar because they are developed using low-carbon technologies that can contribute to the management of problems related to waste generation; organic waste in urban centers, rural areas, and industries; and tackling environmental issues, keeping in consideration the social need for development. The New Black Soil, while being biochar and made using green technology, can support initiatives in the European Union particularly in Germany and the United States, that are aimed at developing products from the black soil (biochar).
Parceiros