Rede Bionorte

A Rede BIONORTE congrega Instituições da Amazônia Legal, com o intuito de acelerar a formação de recursos humanos e de integrar competências para o desenvolvimento de projetos de pesquisa e inovação, com foco na biodiversidade e biotecnologia, visando gerar conhecimentos, processos e produtos que contribuam para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Legal. A rede foi instituída no âmbito do Ministério da Ciência e Tecnologia pela Portaria MCT nº 901, de 04.12.2008.

Caracterização do ambiente da rede

A Rede BIONORTE foi instituída para trabalhar em duas frentes: ampliar o conhecimento da biodiversidade da Amazônia desenvolvendo processos e produtos biotecnológicos e, formar recursos humanos para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Legal.

Como primeira ação da Rede, foi lançado o Edital MCT/CNPq/FNDCT-AÇÃO TRANSVERSAL/CT-AMAZÔNIA/CT-BIOTEC/BIONORTE Nº 066/2009 contemplando três linhas de pesquisa: Conhecimento da biodiversidade amazônica; Conservação e uso sustentável da biodiversidade; e Bioprospecção e desenvolvimento de bioprodutos e bioprocessos. Foram aprovados 19 projetos envolvendo os nove estados da Amazônia Legal.

Para a formação de recursos humanos, está sendo criado um programa de Pós-graduação em nível de doutorado, com a participação de instituições de todos os estados da Amazônia Legal, cujo aplicativo de proposta foi submetido à CAPES em 02/07/2010.

Linhas de Pesquisa

Foram definidas três linhas de pesquisa para a Rede BIONORTE: Conhecimento da biodiversidade amazônica, Conservação e uso sustentável da biodiversidade, e Bioprospecção e desenvolvimento de bioprodutos e bioprocessos; conforme as seguintes especificações:

1) Conhecimento da biodiversidade amazônica
  • Inventário da flora, fauna e microbiota da Amazônia brasileira;
  • Taxonomia, coleções, distribuição geográfica, nichos ecológicos;
  • Etnobiologia.
Resultados esperados:
  • Conhecimento da flora, fauna e microbiota;
  • Coleções devidamente catalogadas, informatizadas e preservadas;
  • Conhecimento tradicional resgatado e valorizado.
2) Conservação e uso sustentável da biodiversidade
  • Manutenção e caracterização de bancos de germoplasma;
  • Domesticação de espécies;
  • Melhoramento genético;
  • Manejo de populações;
  • Sistemas de cultivo.
Resultados esperados:
  • Bancos de germoplasma com diversidade genética;
  • Dinâmica populacional conhecida;
  • Processos de cultivo e produção racional de espécies nativas e, ou, aclimatadas estabelecidos;
  • Maior disponibilidade e diversidade de espécies de valor econômico;
  • Procedimentos de manejo sustentável estabelecidos.
3) Bioprospecção e desenvolvimento de bioprodutos e bioprocessos
  • Produção de extratos e óleos essenciais;
  • Desenvolvimento de bioensaios;
  • Identificação e caracterização de princípios ativos;
  • Bioinformática;
  • Desenvolvimento de bioprodutos e bioprocessos;
  • Escalonamento de processos;
  • Gestão da inovação.
Resultados esperados:
  • Maior disponibilidade e diversidade de bioprodutos de valor econômico;
  • Fortalecimento da bioindústria por meio de cooperações com instituições de ensino e pesquisa;
  • Consolidação do desenvolvimento regional pautado no uso da biodiversidade;
  • Aperfeiçoamento humano e geração de empregos e renda na área de biotecnologia.

Diretrizes

A Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal apresenta as seguintes diretrizes:

  • Apoiar a pesquisa em biotecnologia e biodiversidade na Amazônia Legal;
  • Consolidar e integrar grupos de pesquisa da Região;
  • Estabelecer e contribuir para a manutenção de laboratórios de referência;
  • Contribuir para a melhoria e manutenção dos acervos biológicos;
  • Formar, atrair e fixar doutores na região;
  • Fortalecer e contribuir para a consolidação de programas de pós-graduação;
  • Instituir um programa de doutorado de caráter multi-institucional e interdisciplinar;
  • Promover a interação das ICTs com a bioindústria regional;
  • Contribuir para o desenvolvimento social, cultural, econômico e ambiental da região.
Parceiros